“Ninguém pode publicar conteúdos enganadores sem sanção”, declara Miguel Crespo

A imitação do grafismo do jornal Público e da Rádio Renascença em várias peças publicadas em contas do Chega deve ter consequências, defende Miguel Crespo, investigador do IBERIFIER. Numa peça publicada pelo jornal Público a 17 de agosto, Miguel Crespo explica: “Ninguém pode publicar conteúdos enganadores sem sanção”, defende Miguel Crespo. O primeiro passo pressupõe a apresentação de uma queixa na ERC, refere ainda.

Deveria ser feita uma queixa por abuso e tentativa de manipulação, e, mesmo sem queixa, a queixa deveria ser feita de imediato por abuso e tentativa de manipulação quando este meio publica conteúdo enganoso, afirma Miguel Crespo ao Público. “E, mesmo sem queixa, a ERC deveria tomar a iniciativa de agir, pois é esse o papel de um regulador — garantir que no sector que regula se cumprem as leis”.

Desde junho que circulam peças com o “layout” do jornal Público e da Rádio Renascença com conteúdos originários de um dos meios de comunicação do partido Chega. Uma delas tinha como título: “Ventura diz que fogos vão parar quando não houver um incendiário em liberdade”.

https://www.publico.pt/2023/08/17/politica/noticia/contas-chega-clonam-jornais-partilhar-informacao-falsa-redes-sociais-2060464

No dia 18 de agosto, Miguel Crespo explicou à CNN Portugal, que o que está em causa é a tentativa de manipular a partir da imagem de terceiros e chama atenção para um paradoxo: “estão sempre a criticar os meios de comunicação, dizendo que não são credíveis, mas depois aproveitam-se das suas imagens para divulgar a suas mensagens falsas”. O jornalista Paulo Pena, que já elaborou um conjunto de reportagens sobre “fake news”, lembrou que este estratagema já foi usado em muitos locais do globo. O que fazem é aproveitar a credibilidade destes meios para difundir os seus conteúdos manipulados.https://cnnportugal.iol.pt/videos/chega-clona-jornais-para-partilhar-informacao-falsa-nas-redes-sociais-e-uma-tatica-para-manipular/64dfa2820cf2ebafa99b1cb1

Otros artículos

Iberifier asesora al Congreso de los Diputados con evidencia científica sobre desinformación

La Oficina C, Oficina de Ciencia y Tecnología del Congreso de los Diputados en España, ha publicado recientemente un informe sobre Desinformación en la era digital. Este documento reúne evidencia científica en torno a...

Congresso dos Jornalistas: “A desinformação triunfa quando consegue que as pessoas duvidem de tudo”, diz Ramón Salaverría

O coordenador principal do projeto IBERIFIER, Ramón Salaverría, declarou no painel dedicado à literacia que integrou o V Congresso dos Jornalistas, que decorreu em Lisboa de 18 a 21 de janeiro, que o jornalismo...

Investigador IBERIFIER: Miguel Crespo é o novo director do Cenjor, escola de referência para jornalistas

O investigador do IBERIFIER Miguel Crespo é o novo director do Centro Protocolar de Formação Profissional para Jornalistas, Cenjor. Miguel Crespo é professor no ISCTE - IUL, Instituto Universitário de Lisboa, especialista em novos...

Relatório sobre tendências de média: o desafio da diferenciar o jornalismo de outros conteúdos

O documento sobre "as tendências e inovação dos média no ecossistema português e espanhol", produzido pelo IBERIFIER e publicado no dia 10 de janeiro, aponta, além de tendências, alguns desafios à atividade jornalística. Um...

Novo relatório IBERIFIER: IA, verificação de factos e formatos visuais entre as tendências de média para os próximos anos

O primeiro relatório deste ano do Observatório Ibérico de Média Digitais e da Desinformação, IBERIFIER, é sobre o tema das novas tendências de média para 2025/2030. Entre as conclusões do documento "Análise de tendências...