Canais russos possuem informação e desinformação e a desinformação pretende semear dúvidas

Gustavo Cardoso defendeu na SIC Notícias que suspender os canais russos da oferta televisiva portuguesa é demasiado radical, não só porque cria um precedente mas também porque as audiências mínimas destes canais não o justificariam. As declarações do professor do ISCTE e coordenador do projeto IBERIFIER foram proferidas a 2 de março. Alertou ainda que a desinformação pretende sobretudo criar dúvidas aos recetores.

Explicou que os canais em questão também fornecem notícias como quaisquer outros. Aliás, a complexidade da questão é essa: emitem peças notícias credíveis e no meio colocam desinformação. “Esses órgãos não têm maioritariamente propaganda. Têm informação e desinformação. A desinformação pretende criar dúvidas”.

“Banir (canais russos) parece demasiado forte”, declarou. Ressalvou que não existe um estudo recente sobre as audiências desses canais, mas o último destes dava conta de uma visibilidade muito residual, o que lhe dá pouco possibilidade de chegar a uma plateia vasta. Mais determinante ainda, sublinhou, é o fato de se estar a criar um precedente de atuação face a outros canais.

Otros artículos

Evento online: Increasing seniors’ resilience against mis- and disinformation: International examples

“Increasing seniors’ resilience against mis- and disinformation: International examples” es un evento online que tendrá lugar el día 17 de enero de 2023, organizado por el proyecto “SUM - Seniors United against Misinformation....

Televisão: Qual será o lugar das emoções na política?

"Os cidadãos criticam os políticos por estarem fora da realidade mas as emoções fazem parte da realidade", referiu Miguel Crespo, no programa "Linha da Frente", intitulado "Os políticos também dançam", transmitido em horário nobre...

Pós-graduação: Ser especialista em “Informação, Desinformação e Fact-Checking”

O Instituto para as Políticas Públicas e Sociais, IPPPS e o Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa, ISCTE, preparam uma pós-graduação que se foca nos processos da informação, seu reverso ou...

Balanço de 2022: o ano do desaparecimento das oposições, da comunicação política e do “sozinho em Belém”

O ano de 2022 foi ao ano do desaparecimento das oposições do espaço mediático, disse Gustavo Cardoso, coordenador do Observatório IBERIFIER no programa "Espaço das 10", da Antena 1, transmitido no dia 26 de...

“As pessoas são a mensagem”, diz Gustavo Cardoso

O próximo livro de Gustavo Cardoso acrescenta um contributo à análise do fenómeno comunicativo. No seu entender, a mediação assume-se como padrão no ato comunicativo e o ato comunicativo, por sua vez, desenrola-se em...