Fascínio pela ficção explica “fake news”

“Todos nós gostamos de histórias. Crescemos a ouvi-las e quando chegamos à idade adulta continuamos fascinados por elas”, disse Miguel Crespo, o coordenador do projeto Iberifier, ao Expresso, para explicar que o gosto pelas narrativas ficcionadas também justifica o êxito das “fake news” Vítimas da infodemia: “O que faz aceitar teorias da conspiração é igual ao que leva ao terrorismo” – Expresso.

“Se calhar gostamos mais de ficção por ser mais livre, porque, quando se constrói uma narrativa com base numa ideia e não num facto, ela pode ser tudo o que quisermos”, referiu, no dia 3 de março. “Quando falamos de desinformação, estamos a falar de ficção”.

Miguel Crespo deu exemplo de algumas das notícias falsas que circularam durante o início da pandemia Covid-19, que foram analisadas pela equipa CovidCheck.pt, que integrou. Uma delas: o uso prolongado de máscara pode provocar intoxicação por dióxido de carbono e Bill Gates já tem uma vacina contra a Covid-19. Outra das razões para o êxito das falsidades prende-se com a tendência para se ser mais recetivo à informação que reforça o que pensamos.

O psicólogo Miguel Ricou, outros dos peritos ouvidos pelo Expresso sobre esta matéria, sublinhou que somos menos racionais do que julgamos. Respondemos sobretudo ao que sentimos, disse.

No mesmo dia, à TSF https://www.tsf.pt/mundo/guerra-da-desinformacao-russia-proibe-palavra-guerra-ocidente-com-mais-falsificacoes-positivas-para-o-lado-ucraniano-14643436.html?fbclid=IwAR2MsayMM5Zry2U0MzVDKxBSmwB4vzhQ2uc-HhBNz8CpW-0SBY_aRPjM_L8 , Miguel Crespo explicou que o procedimento mais comum que está a ser utilizado nas desinformação relacionada com a guerra, é a descontextualização da informação real.

Estão a ser usados vídeos e imagens de 2014, que são apresentados como se fossem de 2022. “Até videojogos a passar por reais. No fundoi, é pegar em algo que foi facto e transformá-lo em mentira”.

Otros artículos

Ladbrokes Online Casino Promotion Code

• Edition:• amazing race rachel and dave still married• |• ifm al1122• In the Newscan i use draftkings in california• jumper cues 2k22• chalets for sale seadell hemsby• the sledgehammer delta 10 how to...

Encerrados 11 grupos com páginas de jornais pelo IGAC

O ecossistema das aplicações que permitem a partilha em pdf de edições de jornais não é estável. O encerramento é uma prática regular, assim como a sua substituição para outro alojamento digital. O relatório...

Portugal acima da média europeia no consumo ilegal de imprensa e filmes

O acesso indevido a conteúdos online é significativo. 930 mil portugueses admitem ser consumidores ilegais de jornais, revistas, filmes, música, segundo o inquérito conduzido pelo Instituto da Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO), realizado...

Pirataria na imprensa: 600 mil portugueses leem jornais em pdf através do Whatsapp

Onde estão os leitores dos jornais? No submundo da ilegalidade, que inclui partilhas de páginas de pdf, estão aos milhares. Mais de 600 mil portugueses leram imprensa diária e revistas pirateadas através do Whatsapp,...

Quando o problema da desinformação está dentro do jornalismo

Algumas práticas jornalísticas estão a contribuir para a desinformação e a desconfiança no jornalismo, defenderam Miguel Crespo e António Granado, na mesa redonda promovida pelo MediaTrust.Lab sobre “Boas práticas no jornalismo e promoção da...