Fascínio pela ficção explica “fake news”

“Todos nós gostamos de histórias. Crescemos a ouvi-las e quando chegamos à idade adulta continuamos fascinados por elas”, disse Miguel Crespo, o coordenador do projeto Iberifier, ao Expresso, para explicar que o gosto pelas narrativas ficcionadas também justifica o êxito das “fake news” Vítimas da infodemia: “O que faz aceitar teorias da conspiração é igual ao que leva ao terrorismo” – Expresso.

“Se calhar gostamos mais de ficção por ser mais livre, porque, quando se constrói uma narrativa com base numa ideia e não num facto, ela pode ser tudo o que quisermos”, referiu, no dia 3 de março. “Quando falamos de desinformação, estamos a falar de ficção”.

Miguel Crespo deu exemplo de algumas das notícias falsas que circularam durante o início da pandemia Covid-19, que foram analisadas pela equipa CovidCheck.pt, que integrou. Uma delas: o uso prolongado de máscara pode provocar intoxicação por dióxido de carbono e Bill Gates já tem uma vacina contra a Covid-19. Outra das razões para o êxito das falsidades prende-se com a tendência para se ser mais recetivo à informação que reforça o que pensamos.

O psicólogo Miguel Ricou, outros dos peritos ouvidos pelo Expresso sobre esta matéria, sublinhou que somos menos racionais do que julgamos. Respondemos sobretudo ao que sentimos, disse.

No mesmo dia, à TSF https://www.tsf.pt/mundo/guerra-da-desinformacao-russia-proibe-palavra-guerra-ocidente-com-mais-falsificacoes-positivas-para-o-lado-ucraniano-14643436.html?fbclid=IwAR2MsayMM5Zry2U0MzVDKxBSmwB4vzhQ2uc-HhBNz8CpW-0SBY_aRPjM_L8 , Miguel Crespo explicou que o procedimento mais comum que está a ser utilizado nas desinformação relacionada com a guerra, é a descontextualização da informação real.

Estão a ser usados vídeos e imagens de 2014, que são apresentados como se fossem de 2022. “Até videojogos a passar por reais. No fundoi, é pegar em algo que foi facto e transformá-lo em mentira”.

Otros artículos

Livro: pesquisas sobre os desafios que se colocam ao “podcast” e aos novos negócios

Dois artigos portugueses integram o livro "IWEMB2020, Fourth International Workshop on Entrepreneurship, Electronic and Mobile Business", dedicado aos novos formatos a explorar no jornalismo e comunicação. A coordenação coube a Stephan Bohm e Sig...

Literacia no terreno: jornalistas e professores juntos e jogos com notícias falsas

Vítor Tomé explicou no Webinar "Media Literacy in Practice", que decorreu a 16 de novembro, as particularidades dos projetos de literacia mediática que estão a ser desenvolvidos em Portugal e Espanha. Em Portugal, as...

Cidadãos partem das notícias dos jornalistas mas acrescentam-lhes informação

Os indivíduos não produzem jornalismo no sentido tradicional mas podem acrescentar elementos à informação e ganhar conhecimento acerca da notícia. Esta foi uma das conclusões proferidas por Miguel Crespo, coordenador do projeto IBERIFIER, durante...

Fazer literacia dos média apoiando professores e a partir da participação da comunidade escolar

Os professores começam por oferecer resistência às iniciativas de literacia por causa de duas razões: primeiro, temem que as lições interferiram no programa e no encadeamento das matérias planeadas; segundo, receiam não ter conhecimentos...

Estar informado significa encontrar o que se precisa sobre o que está a acontecer

No século XXI mudou a percepção sobre o "estar informado", começou por explicar Gustavo Cardoso ao programa "45 Graus", conduzido por José Maria Pimentel. No século passado significava estar atento às notícias, mas no...