Melhor antídoto é a dúvida

Não aceitar tacitamente a informação só porque foi partilhada por um amigo e consultar fontes credíveis e as fontes das fontes, são algumas das recomendações para evitar os efeitos da desinformação relativa à guerra da Ucrânia, sintetizou Miguel Crespo, coordenador do projeto Iberifier, no programa “Conselho de Guerra”, transmitido pela rádio TSF, no dia 11 de março. O melhor antídoto para a desinformação é a dúvida, sublinhou.

No que se refere a um balanço do que tem sido mais comum acontecer em termos de informação, nos primeiros 15 dias de guerra, sobressai o recurso a fotos antigas de guerra e do conflito na Síria, onde tem sido usado armamento e tropas semelhantes. Em quantidade, têm vindo a circular no mundo Ocidental mais narrativas favoráveis à Ucrânia do que à Rússia e a tendência é aceitar as primeiras.

Isto acontece, explica o investigador do ISCTE, porque prevalece o mecanismo de validação sobre o que vai ao encontro das nossas posições, e essa particularidade justifica, aliás, o êxito da desinformação. “O Ocidente tomou o lado da Ucrânia, provavelmente com razão, e isso afeta o que aceitamos como verdade ou mentira”.

No mesmo programa, Luís Filipe Simões, presidente do Sindicato dos Jornalistas, manifestou-se contra a suspensão da transmissão dos dois canais russos na Europa. O bloqueio, defendeu, tornou o trabalho dos jornalistas mais difícil, uma vez que deixaram de ter elementos para relatar aquela parte da narrativa.

Otros artículos

Iberifier asesora al Congreso de los Diputados con evidencia científica sobre desinformación

La Oficina C, Oficina de Ciencia y Tecnología del Congreso de los Diputados en España, ha publicado recientemente un informe sobre Desinformación en la era digital. Este documento reúne evidencia científica en torno a...

Congresso dos Jornalistas: “A desinformação triunfa quando consegue que as pessoas duvidem de tudo”, diz Ramón Salaverría

O coordenador principal do projeto IBERIFIER, Ramón Salaverría, declarou no painel dedicado à literacia que integrou o V Congresso dos Jornalistas, que decorreu em Lisboa de 18 a 21 de janeiro, que o jornalismo...

Investigador IBERIFIER: Miguel Crespo é o novo director do Cenjor, escola de referência para jornalistas

O investigador do IBERIFIER Miguel Crespo é o novo director do Centro Protocolar de Formação Profissional para Jornalistas, Cenjor. Miguel Crespo é professor no ISCTE - IUL, Instituto Universitário de Lisboa, especialista em novos...

Relatório sobre tendências de média: o desafio da diferenciar o jornalismo de outros conteúdos

O documento sobre "as tendências e inovação dos média no ecossistema português e espanhol", produzido pelo IBERIFIER e publicado no dia 10 de janeiro, aponta, além de tendências, alguns desafios à atividade jornalística. Um...

Novo relatório IBERIFIER: IA, verificação de factos e formatos visuais entre as tendências de média para os próximos anos

O primeiro relatório deste ano do Observatório Ibérico de Média Digitais e da Desinformação, IBERIFIER, é sobre o tema das novas tendências de média para 2025/2030. Entre as conclusões do documento "Análise de tendências...