Zelensky sabe utilizar as redes sociais

O presidente ucraniano tem demonstrado como se pode usar as redes sociais para mobilizar o país e comunicar com o resto do mundo, disse Miguel Crespo.  “Essa é provavelmente a grande surpresa desta guerra. O senhor Putin, presidente russo, e os seus estrategas também se esqueceram desse detalhe”, explicou o investigador do IBERIFIER à agência Lusa, dia 16 de março. https://combatefakenews.lusa.pt/ucrania-desinformacao-russa-sem-muito-espaco-para-avancar-em-portugal-investigador-c-audio/.

A análise da estratégia comunicacional permite distinguir um modelo do século XX e outro do século XXI, disse o professor do ISCTE. “A Rússia, neste momento, não tem sequer uma comunicação externa que faça sentido. Tudo o que eles estão a fazer é limitar o acesso à comunicação, como se fazia no século XX” Desinformação russa sem “muito espaço” para avançar em Portugal — DNOTICIAS.PT .

Sobre a proibição pelo Conselho Europeu dos canais russos Russian Today, RT, e Sputnik News, o investigador considerou o precedente preocupante e propõe um “debate alargado” mal o conflito termine https://www.noticiasaominuto.com/mundo/1954682/investigador-defende-amplo-debate-apos-proibicao-de-canais-russos. De qualquer modo, defende que a desinformação russa não tem tido muito espaço para avançar em Portugal.

Miguel Crespo criticou ainda o paradoxo da posição da empresa Meta, que detém o Facebook, que permite discurso de ódio quando o alvo é Putin. “Não podemos dizer que há discurso de ódio bom e discurso de ódio mau”.

Otros artículos

Livro: pesquisas sobre os desafios que se colocam ao “podcast” e aos novos negócios

Dois artigos portugueses integram o livro "IWEMB2020, Fourth International Workshop on Entrepreneurship, Electronic and Mobile Business", dedicado aos novos formatos a explorar no jornalismo e comunicação. A coordenação coube a Stephan Bohm e Sig...

Literacia no terreno: jornalistas e professores juntos e jogos com notícias falsas

Vítor Tomé explicou no Webinar "Media Literacy in Practice", que decorreu a 16 de novembro, as particularidades dos projetos de literacia mediática que estão a ser desenvolvidos em Portugal e Espanha. Em Portugal, as...

Cidadãos partem das notícias dos jornalistas mas acrescentam-lhes informação

Os indivíduos não produzem jornalismo no sentido tradicional mas podem acrescentar elementos à informação e ganhar conhecimento acerca da notícia. Esta foi uma das conclusões proferidas por Miguel Crespo, coordenador do projeto IBERIFIER, durante...

Fazer literacia dos média apoiando professores e a partir da participação da comunidade escolar

Os professores começam por oferecer resistência às iniciativas de literacia por causa de duas razões: primeiro, temem que as lições interferiram no programa e no encadeamento das matérias planeadas; segundo, receiam não ter conhecimentos...

Estar informado significa encontrar o que se precisa sobre o que está a acontecer

No século XXI mudou a percepção sobre o "estar informado", começou por explicar Gustavo Cardoso ao programa "45 Graus", conduzido por José Maria Pimentel. No século passado significava estar atento às notícias, mas no...