Guerras apelam sempre à emoção

Os conflitos bélicos são assuntos que apelam ao lado emotivo e por isso dividem facilmente a sociedade, defendeu Vítor Tomé, investigador especialista na área da literacia mediática, membro da equipa Iberifier, tendo por base o trabalho desenvolvido pelos peritos Herr e Huddleston (2015). Na mesa redonda sobre limites da comunicação em tempo de guerra, que decorreu a 28 de março, sublinhou a importância das estratégias para desmontar as narrativas dos média.

O professor da Universidade Autónoma explica que quando os jovens não entendem as notícias, como verificou nas suas pesquisas, a tendência é seguir a informação dominante na avenida principal. Vítor Tomé tem estudado a perceção das notícias pelas crianças que frequentam o primeiro ciclo e tem concluído que estas não só as consomem como gostam de as comentar, embora também muitas vezes tenham dificuldade em as entender.

As explicações foram proferidas durante o debate “Fronteiras da Comunicação em tempos de conflitos bélicos”, que decorreu a 28 de março, organizada pelo Grupo de Leitura CMC, Cultura, Media e Cidadania, em colaboração com o Grupo de Jovens Investigadores da SOPCOM.

A discussão do papel dos média na cobertura de conflitos contou ainda com Andreia Martins, designer de comunicação, que dirige a associação “Coolpolitics”, na qual desenvolve projetos de capacitação cívica e política, nomeadamente o programa “bem comum” e Pedro Rios, editor online do “Público”, que alertou, por exemplo, para o papel do humor na propagação de notícias falsas. “O que faz rir tende a ter sucesso”. No seu entender, em causa de dúvida sobre a veracidade da informação, a melhor estratégia é não as publicar ou esperar que estas sejam verificadas pelos jornais que têm equipas robustas de verificação como é o caso do “New York Times” ou “Washington Post”.

Otros artículos

El observatorio europeo Iberifier, coordinado por la Universidad de Navarra, inicia en Pamplona su segunda etapa 

Compuesto por 25 entidades de España y Portugal, este centro promovido por la Comisión Europea continuará investigando sobre medios digitales y desinformación  Pamplona, 23 de mayo. El observatorio ibérico de medios digitales Iberifier (www.iberifier.eu), creado...

Relatório IBERIFIER: Verificadores apontam necessidade de formação em IA

O relatório "Necessidades e desafios do 'fact checking" em Portugal e Espanha", lançado esta sexta-feira pelo Observatório Ibérico de Média Digitais, IBERIFIER, apresenta as principais carências e desafios que se colocam na atualidade ao...

IBERIFIER Reports – Needs and challenges for Iberian fact-checkers

This IBERIFER report presents a crucial investigation conducted as part of Work Package 3 within the IBERIFIER project, focusing on fact-checkers in the Iberian Peninsula—their current state, and the training and technological needs that...

Relatório IBERIFIER: Os jovens são os que revelam mais desinteresse pelas notícias

O estudo "Padrões de consumo de desinformação em Portugal e Espanha", realizado pelas equipas IBERIFIER, coordenadas pela Universidade de Navarra, Espanha, e pelo ISCTE - IUL, em Portugal, indica que são as faixas mais...

IBERIFIER Reports – Disinformation consumption patterns in Spain and Portugal

In this report we conduct a systematic analysis of the matters pertaining to the spread and evolution of disinformation in Spain and Portugal, in terms of forms of consumption, platforms, narratives and permanent adaptation...