Redes sociais reguladas como a eletricidade?

O tema em cima era a compra do Twitter por Elon Musk. Gustavo Cardoso, professor do ISCTE, explicou a Paulo Baldaia, no podcast “Expresso da Manhã”, dia 27 de abril, que esta notícia remete para um problema maior relacionado com a necessidade de regulação das redes sociais. O importante é colocar a questão: as redes sociais devem ser reguladas como o jornalismo ou como outros bens, água ou eletricidade?  https://expresso.pt/podcasts/expresso-da-manha/2022-04-27-Expresso-da-Manha-para-que-e-que-Elon-Musk-quer-o-Twitter–ffff51d6.

“Afinal, a comunicação e estas formas de comunicação em particular, devem ser encaradas como o ar que respiramos? E, se sim, como devem ser reguladas?”, continuou a questionar. O coordenador do Iberifier, Gustavo Cardoso, defende que as regras devem ser as mesmas para o domínio “off line” e “online”, embora reconheça que na questão da aplicabilidade possa haver diferenças: uma coisa é falar de gatinhos e outra de um ataque ao Capitólio. Ainda não existe um modelo de regulação para lidar com as redes sociais e com a desinformação, o único mecanismo que tem existido é aplicar multas, sublinha.

Portanto, na sua perspetiva, colocar limites faz sentido, embora lhe custe perceber que esses limites sejam colocados “ad hoc”, em função das circunstâncias, como aconteceu com o bloqueio dos canais russos na Europa.

O investigador do ISCTE lembra ainda que a mundo da comunicação continua a gerar dinheiro e poder, e que na nossa época, a época da mediação, são estas as tecnologias mais procuradas. A cobiça pelos meios de comunicação continua a ser relevante para os empresários. “Depois de comprar tudo, só falta comprar ideias”, disse.

Otros artículos

Livro: pesquisas sobre os desafios que se colocam ao “podcast” e aos novos negócios

Dois artigos portugueses integram o livro "IWEMB2020, Fourth International Workshop on Entrepreneurship, Electronic and Mobile Business", dedicado aos novos formatos a explorar no jornalismo e comunicação. A coordenação coube a Stephan Bohm e Sig...

Literacia no terreno: jornalistas e professores juntos e jogos com notícias falsas

Vítor Tomé explicou no Webinar "Media Literacy in Practice", que decorreu a 16 de novembro, as particularidades dos projetos de literacia mediática que estão a ser desenvolvidos em Portugal e Espanha. Em Portugal, as...

Cidadãos partem das notícias dos jornalistas mas acrescentam-lhes informação

Os indivíduos não produzem jornalismo no sentido tradicional mas podem acrescentar elementos à informação e ganhar conhecimento acerca da notícia. Esta foi uma das conclusões proferidas por Miguel Crespo, coordenador do projeto IBERIFIER, durante...

Fazer literacia dos média apoiando professores e a partir da participação da comunidade escolar

Os professores começam por oferecer resistência às iniciativas de literacia por causa de duas razões: primeiro, temem que as lições interferiram no programa e no encadeamento das matérias planeadas; segundo, receiam não ter conhecimentos...

Estar informado significa encontrar o que se precisa sobre o que está a acontecer

No século XXI mudou a percepção sobre o "estar informado", começou por explicar Gustavo Cardoso ao programa "45 Graus", conduzido por José Maria Pimentel. No século passado significava estar atento às notícias, mas no...