Suscitar reação é a base do negócio das redes

Gustavo Cardoso considera que o controlo do discurso de ódio exposto nas redes sociais enfrenta um problema estrutural que tem a ver com o próprio modelo de funcionamento destas empresas. A base do negócio das redes é precisamente a reação dos participantes. Ora, quando uma rede social se dispõe a moderar essa reação está a insurgir-se contra o seu princípio fundamental e está a prejudicar-se, explicou o sociólogo.

Em declarações à Antena 1, no “Espaço das 10”, de dia 5 de maio, a propósito do discurso de ódio durante a guerra na Ucrânia, o coordenador do Iberifier sublinhou que o crescendo do discurso de ódio em tempo de guerra é expectável. “A guerra incita ao ódio e à violência e portanto não é estranho que estes cresçam e surjam mais inflamados”, disse. https://www.rtp.pt/play/p517/e615258/espaco-das-10

Outro dos motivos para o crescendo do discurso de ódio relaciona-se com a “cultura de debate inflamado que domina, por exemplo, nas televisões”. Gustavo Cardoso explicou que a tendência na atualidade é depararmo-nos com discussões acesas, muito divididas em termos de posições. “As discussões são acaloradas mas não procuram consenso, mas apenas mais oposição”.

O cientista político António Costa Pinto, outro dos convidados, lembrou que o discurso de ódio faz parte da estrutura das sociedades. “O que tem acontecido é que os Estados modernos foram exercendo regulamentação, limitando-os”.

Otros artículos

Livro: pesquisas sobre os desafios que se colocam ao “podcast” e aos novos negócios

Dois artigos portugueses integram o livro "IWEMB2020, Fourth International Workshop on Entrepreneurship, Electronic and Mobile Business", dedicado aos novos formatos a explorar no jornalismo e comunicação. A coordenação coube a Stephan Bohm e Sig...

Literacia no terreno: jornalistas e professores juntos e jogos com notícias falsas

Vítor Tomé explicou no Webinar "Media Literacy in Practice", que decorreu a 16 de novembro, as particularidades dos projetos de literacia mediática que estão a ser desenvolvidos em Portugal e Espanha. Em Portugal, as...

Cidadãos partem das notícias dos jornalistas mas acrescentam-lhes informação

Os indivíduos não produzem jornalismo no sentido tradicional mas podem acrescentar elementos à informação e ganhar conhecimento acerca da notícia. Esta foi uma das conclusões proferidas por Miguel Crespo, coordenador do projeto IBERIFIER, durante...

Fazer literacia dos média apoiando professores e a partir da participação da comunidade escolar

Os professores começam por oferecer resistência às iniciativas de literacia por causa de duas razões: primeiro, temem que as lições interferiram no programa e no encadeamento das matérias planeadas; segundo, receiam não ter conhecimentos...

Estar informado significa encontrar o que se precisa sobre o que está a acontecer

No século XXI mudou a percepção sobre o "estar informado", começou por explicar Gustavo Cardoso ao programa "45 Graus", conduzido por José Maria Pimentel. No século passado significava estar atento às notícias, mas no...