Quando o problema da desinformação está dentro do jornalismo

Algumas práticas jornalísticas estão a contribuir para a desinformação e a desconfiança no jornalismo, defenderam Miguel Crespo e António Granado, na mesa redonda promovida pelo MediaTrust.Lab sobre “Boas práticas no jornalismo e promoção da confiança”, que decorreu a 18 de junho. Os professores universitários mostraram-se ainda preocupados com a tendência no jornalismo de, sob a justificação de mostrar equilíbrio, dar voz a quem não tem conhecimento sobre os temas.

Miguel Crespo, professor da ISCTE-IUL, começou por ressaltar que “o jornalismo não precisa da desinformação para justificar o problema da confiança”. Os danos estão a ser causados desde dentro, relacionados com algumas práticas.

António Granado, professor da Nova FCSH, o outro convidado deste seminário, evocou “a má informação que tem origem na própria classe jornalística”. “Sinto-me mais preocupado com a contribuição do jornalismo para a desinformação do que sobre a desinformação em geral”.

António Granado alertou ainda para a armadilha em que se transformou a obrigatoriedade de ouvir a outro lado da história, quando o alguém do outro lado não está a contribuir para o entendimento dos fatos. “Aprendemos que é preciso balancear a história e esse balanço faz com que se ouçam pessoas que não têm conhecimento sobre o tema de que estão a opinar e isso confunde os telespectadores. A tentativa de dar um balanço pode criar um não balanço da história”.

“O jornalismo falha muitas vezes por querer dar um equilíbrio e ouvir quem não deveria ser ouvido”, comentou, de seguida, Miguel Crespo. “Durante a pandemia, tivemos todas as questões da pseudociência. Não há outro lado a ouvir, só há o lado da ciência. O jornalismo não pode dar espaço a qualquer louco que possui uma teoria”.  

Outro dos problemas do jornalismo é que não está a conseguir diferenciar-se dos outros produtos das redes, alertou Miguel Crespo, também coordenador do IBERIFIER. No que se refere à própria produção, sublinhou a necessidade de lançar notícias, sem que se proceda à verificação. “Se calhar o caminho do jornalismo não é ir atrás da rapidez, porque a rapidez não traz nada de bom ao jornalismo. É preciso dar notícias quando são relevantes. É preciso dar 100 notícias por hora? Se calhar é mais interessante dar cinco notícias por hora”. António Granado lembrou que quando era jornalista deixou de publicar muitas histórias precisamente porque não as conseguiu verificar a ponto de ter segurança na informação.

Entre os outros moldes de informação incorreta está a colagem ao interesse das fontes. “Quando o jornalismo se coloca na mão das fontes, sem garantir que a informação é correta, está a contribuir para a desinformação”, disse Granado. A este respeito revelou a conclusão retirada por um aluno de mestrado, que descobriu, depois de analisar um conjunto vasto de notícias sobre transferências de jogadores de futebol, que apenas um terço dos negócios se veio a verificar, foi fechado. Perguntou então: a quem foram úteis aquelas notícias? Terão promovido os jogadores, o negócio?

Otros artículos

Iberifier asesora al Congreso de los Diputados con evidencia científica sobre desinformación

La Oficina C, Oficina de Ciencia y Tecnología del Congreso de los Diputados en España, ha publicado recientemente un informe sobre Desinformación en la era digital. Este documento reúne evidencia científica en torno a...

Congresso dos Jornalistas: “A desinformação triunfa quando consegue que as pessoas duvidem de tudo”, diz Ramón Salaverría

O coordenador principal do projeto IBERIFIER, Ramón Salaverría, declarou no painel dedicado à literacia que integrou o V Congresso dos Jornalistas, que decorreu em Lisboa de 18 a 21 de janeiro, que o jornalismo...

Investigador IBERIFIER: Miguel Crespo é o novo director do Cenjor, escola de referência para jornalistas

O investigador do IBERIFIER Miguel Crespo é o novo director do Centro Protocolar de Formação Profissional para Jornalistas, Cenjor. Miguel Crespo é professor no ISCTE - IUL, Instituto Universitário de Lisboa, especialista em novos...

Relatório sobre tendências de média: o desafio da diferenciar o jornalismo de outros conteúdos

O documento sobre "as tendências e inovação dos média no ecossistema português e espanhol", produzido pelo IBERIFIER e publicado no dia 10 de janeiro, aponta, além de tendências, alguns desafios à atividade jornalística. Um...

Novo relatório IBERIFIER: IA, verificação de factos e formatos visuais entre as tendências de média para os próximos anos

O primeiro relatório deste ano do Observatório Ibérico de Média Digitais e da Desinformação, IBERIFIER, é sobre o tema das novas tendências de média para 2025/2030. Entre as conclusões do documento "Análise de tendências...