Comunicação política confusa e ruidosa para uma esfera pública dividida

A comunicação em rede e a consequente sociedade interconectada alterou a composição da esfera pública, defendeu Gustavo Cardoso, dia 30 de setembro, na Antena 1. É possível distinguir na esfera pública uma esfera política a quem interessa temas muitos específicos, na qual estão as pessoas do Governo, das instituições, os comentadores e até aos jornalistas e, depois, uma outra parte onde está o resto da população, explicou o coordenador do projeto IBERIFIER à rádio pública. E esta clivagem, sublinhou, tem sido reforçada nos momentos de crise.

Gustavo Cardoso parte deste pressuposto para explicar porque é que as falhas na comunicação política podem ser tão determinantes. Considera que a comunicação do Governo, que tem apostado numa estratégia protagonizada por diferentes ministros, em vez de se focar num “homem forte”, como aconteceu no passado, não está a correr bem. Em termos de efeitos, a perceção que passa é que as “pessoas no Governo não se entendem”, declarou. Nesse sentido, o Governo não tem comunicado bem, considerou, embora esteja a tentar comunicar de forma diferente. O pretexto desta conversa era o balanço da comunicação política nos primeiros seis meses do Governo PS.

Os sucessivos comentários de Marcelo Rebelo de Sousa, presidente da República, em praça pública, são também interpretados por Gustavo Cardoso como “ruído” para a generalidade da classe política. A permanente intervenção cria uma disfunção política, está a eclipsar a oposição e a prejudicar, de uma forma geral, a comunicação dos atores políticos. Se durante a pandemia a sua presença constante nos média podia ter um papel tranquilizador, neste momento político perturba, sublinhou.

Otros artículos

Livro: pesquisas sobre os desafios que se colocam ao “podcast” e aos novos negócios

Dois artigos portugueses integram o livro "IWEMB2020, Fourth International Workshop on Entrepreneurship, Electronic and Mobile Business", dedicado aos novos formatos a explorar no jornalismo e comunicação. A coordenação coube a Stephan Bohm e Sig...

Literacia no terreno: jornalistas e professores juntos e jogos com notícias falsas

Vítor Tomé explicou no Webinar "Media Literacy in Practice", que decorreu a 16 de novembro, as particularidades dos projetos de literacia mediática que estão a ser desenvolvidos em Portugal e Espanha. Em Portugal, as...

Cidadãos partem das notícias dos jornalistas mas acrescentam-lhes informação

Os indivíduos não produzem jornalismo no sentido tradicional mas podem acrescentar elementos à informação e ganhar conhecimento acerca da notícia. Esta foi uma das conclusões proferidas por Miguel Crespo, coordenador do projeto IBERIFIER, durante...

Fazer literacia dos média apoiando professores e a partir da participação da comunidade escolar

Os professores começam por oferecer resistência às iniciativas de literacia por causa de duas razões: primeiro, temem que as lições interferiram no programa e no encadeamento das matérias planeadas; segundo, receiam não ter conhecimentos...

Estar informado significa encontrar o que se precisa sobre o que está a acontecer

No século XXI mudou a percepção sobre o "estar informado", começou por explicar Gustavo Cardoso ao programa "45 Graus", conduzido por José Maria Pimentel. No século passado significava estar atento às notícias, mas no...