Literacia sem receita e um futuro em que teremos de conviver com muita falsidade

O segundo encontro nacional da Associação Literacia para os Média e Jornalismo, ALMJ, permitiu conhecer o que tem sido o projeto no terreno, nas escolas, onde as crianças desenvolveram oficinas contra a desinformação, criaram rádios e jornais online e em papel indo ao encontro dos seus interesses. No encontro que se realizou dia 12 de outubro em Coimbra, na escola Secundária Quinta das Flores, Vítor Tomé, um dos formadores de professores, esclareceu que foi regra não sugerir receitas de trabalho aos docentes, para que cada um descobrisse as estratégias que melhor se adequavam à sua comunidade escolar. Daniel Catalão, outros dos participantes do encontro, deixou alertas sobre a presença da falsidade em diferentes domínios. Lembrou que “muito do que vemos hoje no cinema é falso”.

Daniel Catalão começou por mostrar aos presentes vários vídeos do Tik Tok protagonizados por Tom Cruise em situações do quotidiano, a tocar guitarra, e fazer números de magia, a gozar com atores na passadeira vermelha. Interrogou a audiência e explicou a seguir que se tratava de material manipulado, “deep fake”. “Temos de aprender a desconfiar dos vídeos”, sublinhou. As tecnologias do vídeo sintético e dos sintetizadores de voz estão a tornar-se cada vez mais acessíveis, disse, e essa banalização vai trazer novos problemas também ao jornalismo.

Vítor Tomé, um dos formadores dos docentes, membro da equipa IBERIFIER, fez uma síntese do que tem sido a atividade da ALMJ: 160 jornalistas formados, 20 cursos de formação, mais de 300 professores preparados para criar iniciativas nas escolas e mais de 100 projetos escolares planeados e desenvolvidos. O conceito desta proposta de ação é triangular: dar formação aos jornalistas para estes colaborarem na preparação de professores e depois puderem acompanhar a criação pelos alunos de atividades escolares na área da literacia e da desinformação. Neste segundo encontro foram apresentados alguns modelos desenvolvidos: “Academia Cidadania Digital”, em Caneças, “Salto do Gafanhoto” e “Solta a Voz no AEGN”, em Gafanha da Nazaré, ou a oficina “Detetar e Combater a desinformação”, em S. Maria, Açores, entre outros.

Vítor Tomé, que participa na formação desde o início do projeto em 2017, declarou que é claro que “há interesse da parte dos professores em frequentar a formação em literacia dos media”. Salientou ainda a importância do envolvimento das direções das escolas. “Se as direções não estão envolvidas nos projetos, os projetos morrem”, afirmou. “Outro dos princípios fundamentais (para o êxito) é a partilha e a interajuda”.

A iniciativa da ALMJ foi recentemente mencionada num relatório da Nato sobre Literacia dos Média, referiu Vítor Tomé. O segundo encontro Nacional da Literacia para os Media e Jornalismo contou ainda com a participação do investigador António Lopez que fez uma apresentação sobre a desinformação na área das alterações climáticas; e as presenças de José Carlos de Sousa, diretor de Serviços de Projetos Educativos da Direção-Geral da Educação, Luís Filipe Simões, presidente do Sindicato dos Jornalistas, e Sofia Branco, fundadora da ALMJ, a quem coube fechar a sessão.

Otros artículos

Livro: pesquisas sobre os desafios que se colocam ao “podcast” e aos novos negócios

Dois artigos portugueses integram o livro "IWEMB2020, Fourth International Workshop on Entrepreneurship, Electronic and Mobile Business", dedicado aos novos formatos a explorar no jornalismo e comunicação. A coordenação coube a Stephan Bohm e Sig...

Literacia no terreno: jornalistas e professores juntos e jogos com notícias falsas

Vítor Tomé explicou no Webinar "Media Literacy in Practice", que decorreu a 16 de novembro, as particularidades dos projetos de literacia mediática que estão a ser desenvolvidos em Portugal e Espanha. Em Portugal, as...

Cidadãos partem das notícias dos jornalistas mas acrescentam-lhes informação

Os indivíduos não produzem jornalismo no sentido tradicional mas podem acrescentar elementos à informação e ganhar conhecimento acerca da notícia. Esta foi uma das conclusões proferidas por Miguel Crespo, coordenador do projeto IBERIFIER, durante...

Fazer literacia dos média apoiando professores e a partir da participação da comunidade escolar

Os professores começam por oferecer resistência às iniciativas de literacia por causa de duas razões: primeiro, temem que as lições interferiram no programa e no encadeamento das matérias planeadas; segundo, receiam não ter conhecimentos...

Estar informado significa encontrar o que se precisa sobre o que está a acontecer

No século XXI mudou a percepção sobre o "estar informado", começou por explicar Gustavo Cardoso ao programa "45 Graus", conduzido por José Maria Pimentel. No século passado significava estar atento às notícias, mas no...