“Nas próximas eleições, o Tik Tok poderá ser um ‘player’ tão importante como o Facebook e o Twitter”, diz Gustavo Cardoso

A Visão fez uma matéria desenvolvida sobre a utilização do Tik Tok pelos mais jovens e revela inúmeras histórias sobre como se realiza o contacto dos jovens com conteúdos associados à direita radical. Gustavo Cardoso, responsável pelo IBERIFIER em Portugal, explica na peça publicada a 10 de janeiro, e que foi tema de capa da revista, que tem havido uma desvalorização desta rede social mas que está convencido que “nas próximas eleições, o Tik Tok poderá ser um ‘player tão importante como o Facebook e o Twitter”. https://visao.pt/edicao-impressa/2024-01-10-edicao-1610/

O professor catedrático e especialista em comunicação considera que essa adesão juvenil a conteúdos políticos também se deve à irreverência natural dos jovens. “A definição política na adolescência faz-se normalmente por oposição a algo ou alguém: é sempre contra e raramente ‘a favor de ‘”. Para os adolescentes e jovens, o discurso contra revela-se muito mais apelativo.

As redes sociais foram construídas para pessoas e não para partidos e por isso se tem assistido a uma afastamento das ideias e uma valorização dos discursos pessoais, explica ainda. O que alguns partidos estão a fazer é a utilizar esses espaços para estabelecer relações diretas com os adeptos. Para o facto de estar a sobressair a direita radical nesta plataforma, Cardoso responde que é normal que assim seja. Quem está no poder tem sempre um uso mais comedido dessas plataformas.

Patrícia Silva, investigadora da Universidade de Aveiro, explica a partir de três pontos porque é que esta plataforma está a contribuir para a expansão dos conteúdos da extrema direita. Primeiro, os discursos populistas, simples, apelam às emoções; segundo, a controvérsia de alguns temas faz deles conteúdos virais; e terceiro, saber-se da possibilidade de os eleitores poderem amplificar esses conteúdos, ao disseminaram-nos. E isto pode acontecer mesmo que esses utilizadores não sejam ideologicamente próximos das perspectivas políticas.

Otros artículos

El observatorio europeo Iberifier, coordinado por la Universidad de Navarra, inicia en Pamplona su segunda etapa 

Compuesto por 25 entidades de España y Portugal, este centro promovido por la Comisión Europea continuará investigando sobre medios digitales y desinformación  Pamplona, 23 de mayo. El observatorio ibérico de medios digitales Iberifier (www.iberifier.eu), creado...

Relatório IBERIFIER: Verificadores apontam necessidade de formação em IA

O relatório "Necessidades e desafios do 'fact checking" em Portugal e Espanha", lançado esta sexta-feira pelo Observatório Ibérico de Média Digitais, IBERIFIER, apresenta as principais carências e desafios que se colocam na atualidade ao...

IBERIFIER Reports – Needs and challenges for Iberian fact-checkers

This IBERIFER report presents a crucial investigation conducted as part of Work Package 3 within the IBERIFIER project, focusing on fact-checkers in the Iberian Peninsula—their current state, and the training and technological needs that...

Relatório IBERIFIER: Os jovens são os que revelam mais desinteresse pelas notícias

O estudo "Padrões de consumo de desinformação em Portugal e Espanha", realizado pelas equipas IBERIFIER, coordenadas pela Universidade de Navarra, Espanha, e pelo ISCTE - IUL, em Portugal, indica que são as faixas mais...

IBERIFIER Reports – Disinformation consumption patterns in Spain and Portugal

In this report we conduct a systematic analysis of the matters pertaining to the spread and evolution of disinformation in Spain and Portugal, in terms of forms of consumption, platforms, narratives and permanent adaptation...