“Nas próximas eleições, o Tik Tok poderá ser um ‘player’ tão importante como o Facebook e o Twitter”, diz Gustavo Cardoso

A Visão fez uma matéria desenvolvida sobre a utilização do Tik Tok pelos mais jovens e revela inúmeras histórias sobre como se realiza o contacto dos jovens com conteúdos associados à direita radical. Gustavo Cardoso, responsável pelo IBERIFIER em Portugal, explica na peça publicada a 10 de janeiro, e que foi tema de capa da revista, que tem havido uma desvalorização desta rede social mas que está convencido que “nas próximas eleições, o Tik Tok poderá ser um ‘player tão importante como o Facebook e o Twitter”. https://visao.pt/edicao-impressa/2024-01-10-edicao-1610/

O professor catedrático e especialista em comunicação considera que essa adesão juvenil a conteúdos políticos também se deve à irreverência natural dos jovens. “A definição política na adolescência faz-se normalmente por oposição a algo ou alguém: é sempre contra e raramente ‘a favor de ‘”. Para os adolescentes e jovens, o discurso contra revela-se muito mais apelativo.

As redes sociais foram construídas para pessoas e não para partidos e por isso se tem assistido a uma afastamento das ideias e uma valorização dos discursos pessoais, explica ainda. O que alguns partidos estão a fazer é a utilizar esses espaços para estabelecer relações diretas com os adeptos. Para o facto de estar a sobressair a direita radical nesta plataforma, Cardoso responde que é normal que assim seja. Quem está no poder tem sempre um uso mais comedido dessas plataformas.

Patrícia Silva, investigadora da Universidade de Aveiro, explica a partir de três pontos porque é que esta plataforma está a contribuir para a expansão dos conteúdos da extrema direita. Primeiro, os discursos populistas, simples, apelam às emoções; segundo, a controvérsia de alguns temas faz deles conteúdos virais; e terceiro, saber-se da possibilidade de os eleitores poderem amplificar esses conteúdos, ao disseminaram-nos. E isto pode acontecer mesmo que esses utilizadores não sejam ideologicamente próximos das perspectivas políticas.

Otros artículos

Iberifier asesora al Congreso de los Diputados con evidencia científica sobre desinformación

La Oficina C, Oficina de Ciencia y Tecnología del Congreso de los Diputados en España, ha publicado recientemente un informe sobre Desinformación en la era digital. Este documento reúne evidencia científica en torno a...

Congresso dos Jornalistas: “A desinformação triunfa quando consegue que as pessoas duvidem de tudo”, diz Ramón Salaverría

O coordenador principal do projeto IBERIFIER, Ramón Salaverría, declarou no painel dedicado à literacia que integrou o V Congresso dos Jornalistas, que decorreu em Lisboa de 18 a 21 de janeiro, que o jornalismo...

Investigador IBERIFIER: Miguel Crespo é o novo director do Cenjor, escola de referência para jornalistas

O investigador do IBERIFIER Miguel Crespo é o novo director do Centro Protocolar de Formação Profissional para Jornalistas, Cenjor. Miguel Crespo é professor no ISCTE - IUL, Instituto Universitário de Lisboa, especialista em novos...

Relatório sobre tendências de média: o desafio da diferenciar o jornalismo de outros conteúdos

O documento sobre "as tendências e inovação dos média no ecossistema português e espanhol", produzido pelo IBERIFIER e publicado no dia 10 de janeiro, aponta, além de tendências, alguns desafios à atividade jornalística. Um...

Novo relatório IBERIFIER: IA, verificação de factos e formatos visuais entre as tendências de média para os próximos anos

O primeiro relatório deste ano do Observatório Ibérico de Média Digitais e da Desinformação, IBERIFIER, é sobre o tema das novas tendências de média para 2025/2030. Entre as conclusões do documento "Análise de tendências...